skip to Main Content
Área de utilizador

Quais os pontos fortes do serviço ?

Ao longo dos anos, a Cardiologia de Gaia tem sido sinónimo de inovação, de excelência na prestação dos cuidados e de qualidade na formação cardiovascular.

A nível da inovação, a Cardiologia de Gaia foi sempre o palco para múltiplos procedimentos inovadores a nível nacional, europeu e até mundial. Teve um papel pioneiro na implantação de válvula aórtica por via percutânea (TAVI), no tratamento da cardiopatia estrutural mitral e tricúspide, no desenvolvimento e aplicação de tecnologias inovadoras de Imagiologia Cardíaca, entre muitas outras.

 

A nível da excelência na qualidade de prestação de cuidados, é reconhecido na comunidade médica e na sociedade em geral os excelentes resultados clínicos da Cardiologia de Gaia no tratamento da doença cardiovascular. Apesar da sua curta história, com menos de 3 décadas, a Cardiologia de Gaia é hoje um dos 6 centros nacionais de referência de tratamento de cardiopatia estrutural, e procurada por doentes de todo o país para o tratamento dos casos mais desafiantes.

Outra das marcas identitárias da Cardiologia de Gaia é a formação médica. Ao longo dos anos, a Cardiologia de Gaia tem sido o local de formação de centenas de cardiologistas a nível nacional, que a escolhem para realizar a sua formação completa ou uma parte dos seus estágios. Todos os anos são mais de 30 os internos de Cardiologia, e mais de 25 os internos de outras especialidades (Medicina Interna, Anestesia, Intensivismo), que fazem aqui uma parte da sua formação.Finalmente, tudo isto só é possível graças ao grande ponto forte do serviço. Um grande espirito de equipa, que é forte, dinâmico e solidário e com um grande comprometimento na melhoria contínua dos cuidados do doente com patologia cardiovascular.

Quais os projetos em curso que mais diferenciam o Serviço dos restantes ?

Apesar da sua história relativamente curta, a Cardiologia de Gaia tem sido ao longo dos anos o palco para múltiplos procedimentos inovadores a nível nacional, europeu e até mundial.

Na área da Cardiologia de Intervenção, o serviço foi pioneiro em Portugal na angioplastia primária no enfarte agudo do miocárdio, na utilização de stents revistos com fármacos, na implantação de dispositivos de assistência ventricular (exemplo do balão intra-aórtico, do TandemHeart, do Impella) e no encerramento de apêndice auricular esquerdo. Nesta história de múltiplos sucessos destaca-se a realização do primeiro implante de válvula aórtica por via percutânea da Península Ibérica (TAVI) no ano de 2007, uma tecnologia que veio revolucionar o tratamento da estenose aórtica. Mais recentemente, em março de 2021, a Cardiologia de Gaia foi o segundo centro a nível mundial a realizar uma anuloplastia mitral transeptal totalmente por via percutânea (dispositivo AMEND) em colaboração com uma equipa que veio propositadamente de Israel para este procedimento inovador. Também em março 2021 foi pioneiro a nível nacional no tratamento percutâneo da válvula tricúspide.

Na Imagiologia Cardíaca foi também na Cardiologia de Gaia que, já no ano 2000, foram dados os primeiros passos em Portugal na utilização de ecografia tridimensional, uma tecnologia que hoje se encontra amplamente disseminada. Mais recentemente, em 2014, a Cardiologia de Gaia foi o primeiro centro a nível mundial a testar e desenvolver o primeiro cateter de ecocardiografia intracardíaca tridimensional em tempo real 4D (Acunav volumétrico) para ajudar a guiar o tratamento da doença cardíaca estrutural. Nesta área, a Cardiologia de Gaia foi também o primeiro centro nacional a incorporar um equipamento dedicado e exclusivo de TC cardíaca de última geração que se encontra colocado no interior do serviço.

Em relação à inovação tecnológica, a Cardiologia de Gaia foi germinal no processo de desmaterialização do processo clínico do doente, tendo sido um dos pioneiros a nível nacional na criação de uma rede informática de âmbito hospitalar. Logo em 1993 foi visionária na utilidade da telemedicina através da utilização da mais longa rede ótica transeuropeia capaz de transmitir dados clínicos que necessitassem de elevada largura de banda e na sua utilização para consultoria para países dos PALOP nomeadamente para Moçambique.

Na área da eletrofisiologia, a aquisição de métodos de mapeamento tridimensional, a utilização da crioablação e o uso rotineiro de cateteres de ablação com sensores de pressão também permitiu melhorar o tratamento da patologia arrítmica.Finalmente, no já longínquo ano de 1993 e, em colaboração com Serviço de Medicina Física e Reabilitação, a Cardiologia de Gaia montou o seu Programa de Reabilitação Cardíaca, um projeto pioneiro tendo sido o primeiro centro de reabilitação cardíaca do Serviço Nacional de Saúde.

Quais as principais dificuldades do dia-a-dia ?

Fruto do seu crescimento rápido e diferenciação, as principais dificuldades da Cardiologia de Gaia são sobretudo logísticas e de financiamento.

A nível logístico, o serviço bate-se há anos pelo aumento do número de camas de internamento que ainda é muito reduzido, e muito inferior aos outros serviços de Cardiologia. São também crónicas as necessidades de recursos humanos (médicos, enfermeiros e técnicos) atendendo ao elevado volume de resposta atividade assistencial.

O tratamento da cardiopatia estrutural veio acentuar ainda mais os problemas de financiamento hospitalar. Atualmente, a Cardiologia de Gaia trata 190 doentes por ano com TAVI e várias outras dezenas de doentes com outros dispositivos cardíacos. Como é sabido, estes dispositivos têm custos elevados e o financiamento hospitalar não acompanhou este acréscimo de custos. Atualmente, o que o Ministério da Saúde paga ao hospital por cada procedimento TAVI não chega a 20% dos custos da prótese, não considerando nesta análise os custos com recursos humanos, internamento, outro material, etc.

Quais os planos para o futuro ?

Os principais planos são a continuação da aposta na inovação, na excelência de prestação dos cuidados ao doente cardiovascular e a na qualidade da formação cardiovascular. Ou seja, manter esta “evolução na continuidade” procurando sempre inovar em todas as áreas da Cardiologia.

Além disso, pretende-se um reforço ainda maior da aposta em projetos de investigação e desenvolvimento cardiovascular.

Apesar de não ser um centro universitário ou académico, a Cardiologia de Gaia tem liderado também na investigação cardiovascular com a publicação nos últimos dois anos de mais de 90 artigos em várias revistas científicas indexadas, incluindo as mais prestigiadas como o NEJM, o European Heart Journal, o JACC, entre muitas outras.

Nesta área da investigação, o serviço fez já uma parceria estratégica com a FMUP para passar a integrar investigadores, com conhecimentos complementares, provenientes da faculdade para auxiliar no desenvolvimento de vários projetos de investigação clínica e uma outra parceria com a engenharia, nomeadamente com o INESC TEC, para a investigação de translação, avaliação de sistemas e big data.

Quais as três palavras que melhor definem o serviço ?

O conteúdo exposto é da exclusiva responsabilidade do serviço em questão, não vinculando/refletindo necessariamente a opinião da sociedade portuguesa de cardiologia.

Back To Top
Quero ser Sócio