Sobre nós

MENSAGEM DO PRESIDENTE

João Morais

Estimado sócio da SPC,
Ao dar início a um novo ciclo na vida da SPC assumindo a presidência para os próximos dois anos, dirijo-me a todos para uma simples saudação.
Aproximando-se das sete décadas de vida a SPC é hoje, de forma inequívoca, uma grande sociedade, com um volume de atividade e impacto científico que vai muito para além da sua dimensão.
A modernização da Sociedade está na ordem do dia. Após passo inicial dado pela direção que me precede, os próximos dois anos deverão ser dedicados na procura de soluções que preparem a SPC para os tempos que hão-de vir.
Uma Sociedade cada vez mais forte, com estruturas cada vez mais profissionais, menos dependentes do exterior é um desafio que se nos coloca.
A formação médica, a interacção com os sócios, o reforço da nossa posição na ESC, uma comunicação interna e externa cada vez mais atuante, são alguns dos objetivos que orientarão o trabalho da Direção que agora começa.
Finalmente, a melhoria da saúde cardiovascular dos portugueses é o grande objetivo da SPC, que tudo fará para, junto dos órgãos decisores, colocar as doenças do aparelho circulatório no topo da lista das prioridades.
Conto com a colaboração de todos, do mesmo modo que todos podem contar connosco.

João Morais
Presidente da SPC para o biénio 2017-2019

Órgãos Sociais do biénio 2017-2019

Comissões

Sócios da SPC com Cargos Internacionais

ASPECTOS LEGAIS DA SPC

ESTATUTOS DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE CARDIOLOGIA

ESTATUTOS

REVISTA PORTUGUESA DE CARDIOLOGIA

REGULAMENTOS

CONGRESSO PORTUGUÊS DE CARDIOLOGIA

REGULAMENTOS

REVISTA FACTORES DE RISCO

REGULAMENTOS

REGULAMENTO DE ADMISSÃO DE SÓCIOS

REGULAMENTOS

PATROCÍNIO DA SPC A REUNIÕES CIENTÍFICAS

REGULAMENTOS

COMISSÃO DE ÉTICA

REGULAMENTOS

REGULAMENTO ADMINISTRATIVO DO CNCDC

REGULAMENTOS

REGULAMENTO DA COLHEITA DE DADOS

REGULAMENTOS

REGULAMENTO DA ACADEMIA CARDIOVASCULAR

REGULAMENTOS

A NOSSA HISTÓRIA

A Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) foi fundada em 9 de Julho de 1949 e resultou da vontade de um grupo de médicos cardiologistas, ligados a instituições universitárias, de criar uma sociedade científica que pudesse servir de base ao desenvolvimento da Cardiologia portuguesa. A SPC nasce assim numa época de reordenamento internacional, precipitado pelo final da segunda Guerra Mundial, quando alguns médicos portugueses restabelecem contactos com colegas amigos além fronteiras e outros se deslocam ao estrangeiro para fazer estágios, por vezes suportados financeiramente pelo Instituto de Alta Cultura, nascente da Fundação Calouste Gulbenkian.