«A SPC tem desenvolvido uma atividade notável enquadrada no Ciclo da Qualidade, mas há lacunas que carecem de melhoria.» Dr. Jorge Ferreira, coordenador científico da SPC

No contexto da estratégia de atuação da atual direção da Sociedade Portuguesa de Cardiologia (SPC) – potenciar a qualidade na Cardiologia – terá lugar no próximo dia 11 de maio, entre as 9h30 e as 12h30, na Casa do Coração, em Lisboa, uma reunião com as Associações Especializadas, Grupos de Estudo (GE) e Núcleos. O objetivo deste encontro passa por eleger delegados que constituirão grupos de trabalho e integrarão o plenário de delegados que, posteriormente, definirão os indicadores de qualidade de organização, de gestão e resultado clínicos, nas diversas áreas das doenças cardíacas.

A reunião contará com a intervenção do Dr. Jorge Ferreira que, como coordenador científico da SPC, irá abordar os princípios fundamentais do Programa de Qualidade na Cardiologia que se pretende desenvolver, com especial incidência nos fundamentos e no paradigma do enfarte agudo do miocárdio. Seguir-se-á o Dr. Mário Santos, a quem caberá falar sobre os indicadores de qualidade. Uma vez que o objetivo é promover a troca de opiniões e experiências entre os especialistas, o encontro terminará com um debate entre todos os participantes.

«A SPC tem desenvolvido uma atividade notável enquadrada no Ciclo da Qualidade, nomeadamente com a adoção das guidelines da Sociedade Europeia de Cardiologia e a respetiva tradução para português em formato de bolso; a realização de registos clínicos em diversas áreas de medicina cardiovascular através do CNCDC; a promoção de atividades educacionais através de cursos organizados pela Academia Cardiovascular, de sessões plenárias dedicadas em parte ou em todo à disseminação das guidelines no Congresso Português de Cardiologia e em reuniões das Associações e dos GE; e da informação aos centros participantes nos registos sobre os seus resultados específicos, em comparação com a média nacional, cumprindo a função de retorno com vista à melhoria contínua», salienta o Dr. Jorge Ferreira.

Ainda assim, a atual direção da Sociedade considera que há lacunas que carecem de melhoria. «No ciclo da qualidade, a definição de Indicadores de Qualidade (IQ) é um ponto essencial porque sumariza a melhor evidência científica dos extensos documentos de recomendações para a gestão clínica, permite a avaliação quantitativa do desempenho e a monitorização de medidas desenvolvidas para a sua melhoria contínua; a vasta maioria dos registos são de participação voluntária, falham na inclusão sistemática e prospetiva de doentes e não são auditados; e têm sido escassas/ausentes a definição e a implementação de medidas que visam a melhoria do desempenho», exemplifica o coordenador científico.

É neste contexto que se definem os objetivos estratégicos para o Programa da Qualidade na Cardiologia a ser desenvolvido pela SPC. A saber: a definição de IQ deverá ser efetuada pelas Associações e GE, devendo incluir indicadores de organização, gestão clínica e resultados (outcome measures) ajustados em áreas como doença cardíaca aguda, procedimentos percutâneos/cirúrgicos e ambulatório; a realização de registos nacionais deverá ser efetuada pelas Associações e GE, tendo como objetivos a caracterização dos IQ e a sua monitorização ao longo do tempo; e o estabelecimento de medidas para Melhoria do Desempenho, sendo que a determinação de medidas para cumprimento dos objetivos pré-definidos não atingidos deverá ser efetuada pelas Associações e GE.

 

Texto elaborado pelo Gabinete de Comunicação da SPC – S Consulting

Outras Notícias
Artigos Revista SPC